Resultado da Busca

replicacao-dados

O Que É Replicação De Dados, Tipos E Vantagens

A sua empresa já perdeu arquivos digitais importantes, que atrapalharam os negócios ou os processos internos de alguma forma? Saiba que o processo de replicação de dados poderia ter evitado essas perdas.  Replicar dados envolve a criação de cópias de arquivos críticos, enviadas e armazenadas em dispositivos seguros, garantindo a integridade e a disponibilidade de dados, em caso de corrupção, comprometimento, perda e mesmo o sequestro de informações sensíveis.  Essa estratégia não apenas previne a perda de dados, mas também de manter a continuidade operacional mesmo diante de adversidades.  Confira o nosso artigo e entenda o que é replicação de dados, tipos e principais vantagens em adotar esse processo na sua empresa. Confira! O Que É A Replicação De Dados? A replicação de dados realiza cópias de arquivos para serem armazenados em outro local, que pode ser dispositivos físicos, como Storage, NAS e fitas, por exemplo, ou sistemas remotos, como armazenamento em nuvem.  Além disso, o processo de replicação de dados pode ser executado tanto de forma pontual quanto contínua, dependendo das necessidades e intenções da empresa.  Como mencionamos, o objetivo dessa prática é justamente, manter a disponibilidade, a integridade e a segurança dos dados, além de possibilitar o acesso rápido e eficiente em situações que envolvam o comprometimento desses arquivos.  Como Funciona A Replicação De Dados? A replicação de dados é um processo que requer uma série de etapas, que possuem diferentes mecanismos de execução.  Entenda como essa sistemática funciona: Completa A replicação transfere todos os dados da fonte original para o destino, exigindo mais recursos de processamento e rede devido à necessidade de lidar com grandes volumes de dados. Parcial A metodologia parcial é aquela que apenas uma parte específica dos dados é replicada, tornando o processo mais rápido e reduzindo a carga na rede. Incremental Já a replicação incremental é um processo que apenas os dados alterados desde a última atualização são replicados por meio de chaves de replicação. Esse processo resulta em um processo mais rápido e eficiente, embora possa falhar na replicação de dados excluídos. Quais Os Tipos De Replicação De Dados? Há diferentes tipos de replicação de dados, atendendo, assim, às mais diferentes necessidades das empresas. Confira quais são eles: Síncrona Como Funciona: Neste tipo de replicação, as alterações nos dados em um sistema são imediatamente replicadas para o sistema secundário. A transação só é considerada completa quando ambos os sistemas confirmam a escrita dos dados. Utilização: É frequentemente usada em sistemas que requerem alta consistência de dados e tolerância zero a perdas de dados, como sistemas financeiros ou transacionais críticos. Assíncrona Como funciona: As alterações são primeiro escritas no sistema primário e, depois de algum tempo, replicadas para o sistema secundário. Não há necessidade de esperar pela confirmação do sistema secundário para completar as transações. Utilização: Ideal para situações onde a latência de rede é uma consideração e a consistência absoluta imediata entre os sistemas não é crucial. Baseada em Log Como Funciona: Utiliza o log de transações do sistema de banco de dados para replicar as alterações. As alterações são capturadas e aplicadas no sistema secundário conforme registrado no log. Utilização: Usada para garantir a consistência transacional e para recuperação de dados. Baseada em Snapshot Como Funciona: Cria cópias periódicas (snapshots) do estado completo de um sistema de dados, que são então usadas para atualizar o sistema secundário. Utilização: Adequada para cenários onde as alterações nos dados não são extremamente frequentes ou onde é aceitável ter alguma latência entre as réplicas. Quais Os Componentes Importantes Para Replicação De Dados? Os componentes de um sistema de replicação de dados são fundamentais para garantir que o processo seja eficiente, seguro e confiável. Abaixo estão os componentes importantes que geralmente compõem um sistema robusto de replicação de dados: Fonte de Dados A fonte de onde os dados são coletados para replicação. Pode ser um banco de dados, um sistema de arquivos, ou qualquer outro repositório de dados. Destino de Dados O local onde os dados replicados são armazenados. Pode ser um sistema idêntico ao sistema de origem ou um tipo de armazenamento adaptado para fins específicos, como análise ou backup. Log de Transações Um registro de todas as transações que modificam os dados na fonte. É crucial para métodos de replicação como a replicação baseada em log, garantindo que todas as alterações sejam capturadas e replicadas de forma consistente. Agente de Replicação O componente que monitora as alterações na fonte de dados e inicia o processo de replicação. Em alguns sistemas, isso pode ser uma função integrada ao sistema de gerenciamento de banco de dados; em outros, pode ser um software ou serviço dedicado. Canal de Comunicação A conexão de rede que transporta os dados da fonte para o destino. Deve ser seguro e capaz de manejar o volume de dados transmitido, minimizando a latência e maximizando a confiabilidade. Software de Gerenciamento de Replicação Uma plataforma ou ferramenta que gerencia todas as operações de replicação, incluindo agendamento, monitoramento, e recuperação de falhas. Este software também pode fornecer interfaces para configurar e controlar o processo de replicação. Segurança Componentes de segurança são vitais para proteger os dados durante a replicação. Isso inclui criptografia de dados em trânsito, autenticação de sistemas e gestão de acessos. Políticas de Consistência Regras que definem como e quando os dados são replicados para garantir a consistência entre a fonte e o destino. Essas políticas podem variar entre replicação síncrona (onde o destino deve ser atualizado imediatamente) e assíncrona. Ferramentas de Monitoramento e Auditoria Utilizadas para acompanhar o desempenho do sistema de replicação e para garantir que tudo está funcionando conforme o esperado. Elas também ajudam a identificar e resolver problemas rapidamente. Esses componentes colaboram para criar uma infraestrutura robusta e confiável de replicação de dados, adaptável a diversas necessidades operacionais e estratégicas. Quais As Vantagens Da Replicação De Dados? A replicação de dados é um processo que pode ser muito vantajoso para as empresas por conta dos mais diversos aspectos. Listamos os principais: Confiabilidade E Disponibilidade Dos Dados Esse processo

Leia mais
plano-recuperacao-desastres

Plano De Recuperação De Desastres: O Que É E Como Elaborar

Hoje em dia, com um alto volume de dados movimentados pelas empresas, adotar um plano de recuperação de desastres é uma medida indispensável no que se refere à segurança da informação. Também é comum ser chamado de Disaster Recovery Plan. Isso porque, as organizações estão suscetíveis aos mais diversos tipos de desastres, que podem envolver, por exemplo, falhas em sistemas, erros humanos e até situações adversas, como incêndios, desabamentos, alagamentos, ataques cibernéticos, entre outros.  Já pensou o impacto que a perda de dados importantes para as suas operações pode acarretar para os seus negócios ou mesmo para a reputação da sua empresa? Então, se você quer elaborar ou otimizar o plano de recuperação de desastres da sua empresa, esse artigo traz as informações essenciais para elaborar esse documento. Vem com a gente! O Que É Considerado Um Desastre? Um desastre é um evento súbito e devastador que causa danos significativos, podendo afetar negativamente pessoas, propriedades, meio ambiente e operações de negócios.  Alguns exemplos de desastres incluem terremotos, incêndios, inundações, furacões, acidentes industriais, ataques cibernéticos, entre outros.  A gravidade de um desastre é medida pela extensão dos danos causados e pela sua capacidade de impactar a vida das pessoas e das organizações. É fundamental estar preparado para lidar com essas situações e minimizar seus efeitos por meio de planos de recuperação adequados. O Que É Um Plano De Recuperação De Desastres? Um plano de recuperação de desastres é uma estratégia detalhada e documentada que descreve procedimentos para as organizações poderem se recuperar de incidentes críticos, preservar dados essenciais e proteger os ativos, mitigando os impactos negativos nas operações. Dessa forma, um plano de recuperação de desastres (PRD) é elaborado para enfrentar os mais variados cenários adversos, como mencionamos, desde desastres naturais até ameaças cibernéticas. Sem um PRD, as empresas correm o risco de: Por exemplo, uma empresa de e-commerce que enfrenta uma falha de segurança cibernética pode perder acesso a dados cruciais de clientes, resultando em transações bloqueadas e perda de confiança do consumidor. Com um PRD, essa empresa pode rapidamente restaurar seus sistemas de TI a partir de backups seguros, minimizando o tempo de inatividade e o impacto negativo. Qual A Definição De Recuperação De Desastres De TI? A definição de recuperação de desastres é um conjunto abrangente de diretrizes, recursos e estratégias usadas para restaurar ou manter as operações da infraestrutura, software e sistemas de TI, diante de eventos catastróficos de origem natural ou provocados. Qual A Importância Da Recuperação De Desastres? Hoje, a tecnologia é um dos elementos essenciais para qualquer organização, presente em operações cotidianas e também naquelas mais complexas. Nesse sentido, soluções, como os sistemas em nuvem, entram em cena para trazer ainda mais agilidade, segurança, conectividade e disponibilidade aos ativos digitais.  Contudo, mesmo diante de avanços tão positivos e significativos para a sociedade em geral, essa transição para ambientes de nuvem e a expansão do trabalho remoto têm gerado complexidades e riscos adicionais para as empresas.  Por isso, a implementação de um plano de recuperação de desastres tornou-se uma medida fundamental para garantir a continuidade das operações e o cumprimento dos requisitos legais. A ausência desses planos pode resultar em violações de conformidade e multas substanciais, além de outros problemas, como prejuízos financeiros, comprometimento da reputação da empresa, exposição de dados e muito mais.  Como Elaborar um Plano de Recuperação de Desastres 1. Avaliação de Riscos e Impacto nos Negócios (BIA) O primeiro passo na elaboração de um PRD é realizar uma Avaliação de Riscos e um Business Impact Analysis (BIA). Isso envolve identificar os eventos potenciais que podem afetar negativamente a empresa e avaliar o impacto que esses eventos poderiam ter nas operações.  Por exemplo, uma empresa situada em uma área propensa a inundações deve preparar-se especificamente para esse risco. Durante o desenvolvimento da BIA se faz necessário considerar algumas métricas importantes, como o Objetivo de Tempo para Recuperação (RTO), este é o indicador que determina o tempo máximo de inatividade aceitável para a empresa. Outra métrica importante é o Ponto de Recuperação (RPO), que estabelece a quantidade aceitável de perda de dados após um desastre. 2. Identificação de Ativos Críticos Determine quais são os ativos mais importantes para a manutenção das operações da empresa. Isso inclui hardware, software, dados e até recursos humanos e físicos. Por exemplo, para uma empresa de TI, os servidores e centros de dados são ativos críticos que requerem proteção prioritária. 3. Estratégias de Recuperação Com os ativos críticos identificados, o próximo passo é desenvolver estratégias de recuperação. Isso pode incluir a instalação de sistemas e estratégias de backup, acordos de nível de serviço (SLAs) com terceiros para garantir a continuidade das operações e planos de evacuação e segurança física em caso de desastres naturais. 4. Plano de Recuperação O plano deve detalhar como as estratégias de recuperação serão implementadas. Isso inclui a alocação de responsabilidades, a definição de linhas de comunicação de emergência e a configuração de infraestrutura de TI redundante. 5. Testes e Manutenção Um PRD nunca está completo sem testes regulares para garantir sua eficácia. Esses testes podem ser simulações de desastres ou drills práticos. Além disso, o plano deve ser revisado e atualizado regularmente para adaptar-se a novos riscos ou mudanças nos processos empresariais. Quais os Ciclos De um Processo de Recuperação de Desastres O processo de recuperação de desastres geralmente é organizado em ciclos ou fases distintas que ajudam a garantir uma resposta eficiente e organizada a qualquer incidente.  Cada uma dessas fases é crucial para minimizar o impacto dos desastres sobre as operações da organização e para garantir uma recuperação rápida e eficaz. Aqui estão as principais fases ou ciclos do processo de recuperação de desastres: 1.Preparação Nesta fase inicial, a organização desenvolve o plano de recuperação de desastres e estabelece as políticas e procedimentos necessários. Isso inclui a formação de uma equipe de resposta a desastres, a identificação e priorização de sistemas críticos, e o estabelecimento de estratégias para a proteção de recursos e a continuidade das operações. Também envolve a

Leia mais
veeam-instant-vm-recovery

Veeam Instant VM Recovery: O Que É E Como Funciona

Você sabe o que é Veeam Instant Vm Recovery, como funciona e quais as vantagens para a sua empresa? Esse recurso é uma funcionalidade do software Veeam Backup & Replication, que permite a recuperação instantânea de uma máquina virtual (VM) a partir de um backup.  Quer conhecer mais sobre essa tecnologia e como ela funciona? Continue lendo o nosso artigo e entenda tudo sobre esse sistema, que auxilia a sua empresa a minimizar o tempo de inatividade e maximizar a disponibilidade dos sistemas.  O Que É Veeam Instant Vm Recovery? O Veeam Instant VM Recovery, como mencionamos, é uma aplicação oferecida pelo sistema Veeam Backup & Replication que faz a recuperação instantânea da máquina virtual por meio de um processo de backup.  Por meio dessa funcionalidade, os usuários podem iniciar uma VM diretamente a partir do arquivo de backup, sem precisar restaurar os dados em sua totalidade, podendo iniciar a execução da máquina virtual em poucos minutos. Dessa forma, em caso de falha do sistema ou desastre, as máquinas virtuais podem ser colocadas rapidamente em operação, o que reduz o tempo de inatividade e impactos nos serviços.  Como Funciona A Recuperação Instantânea? A recuperação instantânea funciona da seguinte forma: o Veeam Backup & Replication lê a configuração da carga de trabalho do backup e cria uma VM temporária no host de destino.  Depois, inicia a criação de um snapshot de proteção para essa VM e a inicia. Em seguida, monta os discos da VM a partir do backup usando Veeam Data Movers.  Por fim, um driver da Veeam redireciona solicitações para o sistema de arquivos da VM recuperada, lendo os dados necessários do backup. Como Ocorre A Migração De Vms Recuperadas Para Local De Produção? Quando o processo de migração é iniciado, o Veeam Instant Vm Recovery ativa um par adicional de Veeam Data Movers – um no repositório de backup e outro no host de destino.  Esses Veeam Data Movers trabalham em conjunto para transferir os dados da VM recuperada do repositório de backup para o host de destino em segundo plano, enquanto preenchem os discos da VM que está sendo iniciada no host de destino. Onde Usar A Recuperação Instantânea? A recuperação instantânea é uma tecnologia inovadora de recuperação de alta velocidade para máquinas virtuais. Sendo assim, em vez de esperar que todos os dados sejam restaurados do backup, essa tecnologia torna os arquivos imediatamente utilizáveis a partir da infraestrutura de backup.  Muitas empresas optam por esse processo, já que ele proporciona uma retomada mais rápida do serviço de negócios em questão.  Qual É A Diferença Entre Recuperação Instantânea De Vm E Vm Inteira? A principal diferença da recuperação instantânea de VM e a recuperação de VM inteira é o tempo necessário para restaurar a VM.  Na recuperação instantânea de VM, os arquivos da VM são inicialmente recuperados de um backup para um ambiente temporário, o que possibilita que a VM seja iniciada e fique online em poucos minutos. Esse processo é indicado para situações em que a prioridade é restaurar o serviço com agilidade.  Já, na recuperação de VM inteira, a VM é restaurada em sua totalidade para o ambiente de produção, substituindo a versão atual da VM. Esse processo requer um tempo mais longo, já que envolve a transferência de todos os dados da VM para o ambiente de produção.  Quais Os Tipos De Backup Suportados No Veeam Instant VM Recovery? Há vários tipos de backups suportados pelo Veeam Instant Vm Recovery, como os seguintes: Casos Especiais de Uso Da Recuperação Instantânea Para usar a recuperação instantânea do Veeam Instant Vm Recovery, você precisa considerar os seguintes aspectos: Sql Databases O Veeam Backup & Replication permite a recuperação instantânea de bancos de dados SQL falhos, garantindo uma rápida restauração em servidores SQL originais ou alternativos. Oracle Databases Compatibilidade para bancos de dados Oracle, oferecendo a recuperação instantânea de bancos de dados com a capacidade de publicação instantânea. File Shares O Veeam Backup & Replication introduz a publicação instantânea de backups de compartilhamentos de arquivos, oferecendo acesso rápido a dados críticos em situações de falha de armazenamento. Virtual Machines Uma inovação importante é a capacidade de restaurar instantaneamente backups de máquinas virtuais Hyper-V, permitindo a restauração imediata como uma VM Hyper-V a partir de backups baseados em imagens. Cuidados Especiais, Pontos Negativos e Limitações O Veeam Instant VM Recovery é particularmente valorizado por sua capacidade de minimizar o tempo de inatividade e interrupções em serviços críticos. No entanto, como qualquer tecnologia, ela possui alguns pontos negativos ou limitações que os usuários podem encontrar: Desempenho da VM Restaurada Durante a execução da VM a partir do backup, o desempenho não será o mesmo que o da VM em operação normal.  Isso ocorre porque a VM está funcionando diretamente a partir dos arquivos de backup, que geralmente estão em armazenamento baseado em disco e não em SSDs ou armazenamentos mais rápidos. Isso pode resultar em velocidades mais lentas de leitura e gravação. Dependência de Infraestrutura de Armazenamento A eficácia do Instant VM Recovery pode ser limitada pela qualidade e capacidade do armazenamento de backup Se o armazenamento de backup não for robusto ou rápido o suficiente, isso pode impactar negativamente a recuperação e o desempenho da VM. Além disso, problemas com a rede ou o armazenamento de backup podem complicar o processo de recuperação. Complexidade e Gestão A configuração inicial e a gestão contínua do Veeam Instant VM Recovery podem ser complexas, especialmente em ambientes grandes e diversificados. Requer um planejamento cuidadoso e conhecimento técnico para configurar e manter o sistema, além de uma estratégia de backup e replicação bem estruturada. Custos Os custos associados à licença do software Veeam, bem como à manutenção e ao armazenamento necessário, podem ser significativos. As organizações devem avaliar cuidadosamente esses custos em relação aos benefícios de uma recuperação rápida de VM. Limitações de Funcionalidade com Alguns Tipos de Armazenamento Embora o Veeam Instant VM Recovery suporte uma ampla gama de tecnologias de armazenamento, podem existir certas limitações ou incompatibilidades com tipos

Leia mais
tipos-firewall

Comparativo Dos Tipos De Firewall, Vantagens e Desvantagens 

Quer conhecer as melhores práticas e sistemas para proteger os dados da sua empresa? Saiba que, hoje em dia, você pode adotar os mais diversos tipos de firewall para  proteger os dados da sua empresa.  Firewalls de última geração, por exemplo, proporcionam uma defesa robusta contra ataques cibernéticos, garantindo a segurança da informação sensíveis de companhias de diferentes setores.  Quer conhecer os principais tipos de firewall, vantagens e desvantagens, para que servem e como escolher o sistema ideal para as necessidades operacionais da sua empresa? Confira o nosso artigo! O Que É Firewall? Um firewall é um sistema de segurança que faz um exame completo e a filtragem de todo o tráfego de dados acessado pelo usuário, distinguindo entre conteúdo malicioso e legítimo. Com uma gama de recursos de proteção, os mais diversos tipos de firewalls disponibilizam para os usuários de redes e sistemas diferentes níveis de segurança, inclusive, com a capacidade de bloquear completamente o tráfego não autorizado. Para Que Serve O Firewall? Além de executar um filtro completo de tráfego de dados, os diferentes tipos de firewalls  são capazes de atuar na proteção contra ameaças cibernéticas, que incluem as mais diversas, como malware, ransomware e outras ameaças.  Ele serve como uma barreira entre a rede interna de uma organização e a internet, monitorando e controlando o tráfego de entrada e saída. Além disso, esse sistema também pode ser configurado para aplicar políticas de segurança personalizadas, como restrições de acesso a determinados sites ou serviços, regras de navegação seguras e monitoramento de atividades suspeitas. Como Funcionam Os Firewalls? Os vários tipos de firewalls operam com um mecanismo de checagem e filtro de todo o fluxo de dados em sistemas empresariais Imagine, por exemplo, que um usuário tente acessar um site suspeito que contenha malware.  Nessas situações, alguns tipos de firewall identificam esse tráfego malicioso e bloqueiam o acesso, impedindo, dessa forma, que o malware se infiltre na rede e comprometa os dados sensíveis armazenados e movimentados por uma companhia. Na sequência do artigo, serão identificados quais os tipos de firewall podem bloquear malware. Qual A Importância Dos Firewalls? Os diferentes tipos de firewall são recursos importantes para apoiar a proteção, a integridade e a segurança dos sistemas de informação de uma organização, para permitir que apenas o tráfego autorizado e seguro tenha acesso à rede, servidores e sistemas. Dessa forma, eles se tornaram essenciais na defesa de sistemas e redes contra malware, ransomware e ataques de hackers, além de contribuírem para a implementação de  políticas de segurança personalizadas.  Em síntese, os tipos de firewalls existentes apoiam a segurança, integridade e disponibilidade dos sistemas de informação de uma organização. Ter um firewall não é suficiente para proteger toda a sua empresa contra as ameaças cibernéticas, são necessárias várias proteções para melhorar o nível de segurança das empresas. Seguem algumas dicas de como proteger a sua empresa. Quais Os Principais Tipos De Firewall? Uma boa notícia é que os avanços tecnológicos na área da segurança da informação resultaram no desenvolvimento de uma variedade de tipos de firewalls, projetados para atender às diversas necessidades das empresas.  Listamos os principais, confira: Firewall De Software Um firewall de software é um tipo de firewall que opera no nível do software em um dispositivo, como um computador, servidor ou dispositivo móvel. Ele é responsável por monitorar e controlar o tráfego de rede que entra e sai do dispositivo, aplicando regras de segurança para proteger contra ameaças cibernéticas. Os firewalls de software podem ser programas instalados diretamente no sistema operacional do dispositivo ou como parte de um pacote de segurança mais abrangente. Eles ajudam a bloquear tráfego indesejado, detectar atividades suspeitas e proteger contra ataques de hackers, malwares e outras ameaças online. Vantagens Entre as principais vantagens, podemos citar controle detalhado sobre acesso, configuração flexível e boa segurança. Desvantagens A instalação individual consome tempo, alto consumo de recursos, muitas opções pagas, configuração complexa, não compatível com todos os dispositivos. Firewall De Hardware Um firewall de hardware é um dispositivo físico dedicado projetado para proteger uma rede de computadores, servidores e outros dispositivos contra ameaças cibernéticas.  Ele atua como uma barreira de segurança entre a rede interna e a internet, controlando o tráfego com base em regras de segurança configuradas. O firewall de hardware pode oferecer proteção avançada, como inspeção profunda de pacotes, prevenção de intrusões e filtragem de conteúdo, ajudando a manter a rede segura contra ataques externos. Vantagens  Segurança aprimorada: Os firewalls de hardware fornecem uma camada adicional de segurança que pode prevenir ataques externos mais eficazmente do que os firewalls de software sozinhos, já que operam em um nível mais baixo do modelo de rede. Desempenho: Como são dedicados à filtragem de tráfego e segurança de rede, geralmente não impactam o desempenho dos sistemas que estão protegendo. Isso os torna ideais para ambientes com grande volume de tráfego. Facilidade de gerenciamento: Muitos firewalls de hardware vêm com interfaces de gerenciamento fáceis de usar, permitindo que administradores configurem regras de segurança e monitorem o tráfego de rede de maneira conveniente. Proteção antes do sistema: Como estão posicionados entre a rede interna e a Internet, podem oferecer proteção antes que o tráfego indesejado ou malicioso alcance os sistemas da rede. Recursos adicionais: Alguns dispositivos de firewall de hardware vêm com recursos adicionais como VPN, antivírus, e filtragem de conteúdo web, fornecendo uma solução de segurança mais abrangente. Desvantagens Custo: Os firewalls de hardware podem ser significativamente mais caros do que soluções de software, especialmente para pequenas e médias empresas (PMEs) ou para uso pessoal, devido ao custo do próprio hardware e, possivelmente, taxas de licenciamento de software. Complexidade: Configurar e manter um firewall de hardware pode ser mais complexo do que soluções de software, exigindo um conhecimento técnico mais aprofundado em redes e segurança. Flexibilidade limitada: Enquanto os firewalls de software podem ser facilmente atualizados ou configurados para atender a necessidades específicas, os firewalls de hardware podem ser limitados pela sua capacidade física e pela funcionalidade que o fabricante disponibiliza. Ponto único de falha: Se

Leia mais
veeam-copy-and-replicate

Entenda O Que É Veeam Copy And Replicate E Como Funciona

A crescente dependência das empresas por dados digitais elevou a gestão de dados e a recuperação de desastres a um patamar crítico para a continuidade dos negócios. Neste contexto, o Veeam Backup & Replication surge como uma solução robusta, projetada para garantir a integridade e a disponibilidade dos dados empresariais Este artigo oferece uma visão detalhada sobre o Veeam Copy and Replicate, abordando suas funcionalidades, benefícios e aplicabilidade através de estudos de caso. Leia o nosso artigo e entenda tudo sobre a Veeam Copy And Replicate! O Que É Veeam Copy And Replicate? O Veeam Copy And Replicate, criada pela Veeam Software — uma líder no mercado de proteção de dados e gestão de backups —, simplifica e otimiza o processo de backup, restauração, replicação e recuperação de desastres para empresas de todos os tamanhos. Através de uma abordagem integrada, permite que as empresas realizem cópias de segurança e repliquem seus dados críticos, assegurando assim a continuidade dos negócios frente a incidentes como falhas de hardware, ataques de ransomware e desastres naturais. O Veeam Copy And Replicate é adaptável a empresas de variados portes, além de garantir simplicidade, confiabilidade e um desempenho excepcional. Principais Funcionalidades Confira as principais funcionalidades desses sistemas e como cada uma funciona: Backup e Replicação Integrados A principal inovação do Veeam Copy And Replicate é sua capacidade de integrar, de forma coesa, operações de backup e replicação. Enquanto o backup cria cópias seguras dos dados que podem ser restauradas em caso de perda, a replicação cria cópias exatas de ambientes virtuais que podem ser imediatamente ativadas. Esta abordagem dual garante não apenas a segurança dos dados, mas também a continuidade operacional. Recuperação Instantânea Uma das funcionalidades mais valorizadas é a recuperação instantânea, permitindo que máquinas virtuais (VMs) sejam ativadas diretamente a partir dos backups sem a necessidade de restaurações completas. Este processo minimiza significativamente o tempo de inatividade, uma vantagem crítica em ambientes de negócios onde cada segundo de inatividade pode resultar em perdas financeiras significativas. Teste de Recuperação Automatizado O Veeam Backup & Replication oferece também a SureBackup®, uma tecnologia que automatiza o teste de recuperação de backups e réplicas. Isso garante a integridade dos dados e a eficácia do plano de recuperação de desastres, proporcionando às empresas confiança na sua capacidade de recuperação. Gerenciamento Centralizado A solução oferece um console de gerenciamento centralizado, permitindo a administração simplificada de operações de backup, replicação e recuperação a partir de uma única interface. Isso reduz a complexidade do gerenciamento de dados e melhora a eficiência operacional. Como Funciona A Réplica Do Backup? Já a réplica do backup é um processo que cria uma cópia em tempo real dos dados originais em um servidor remoto ou dispositivo de armazenamento externo.  A partir disso, os dados são mantidos de maneira sincronizada com os dados originais, garantindo que qualquer alteração feita nos dados principais seja imediatamente refletida na réplica.  Quais Os Requisitos E Limitações Para Réplica De Backup? Qual É A Diferença Entre Replicação E Cópia Da Veeam? Quando se trata de proteção de dados, a principal diferença entre backup e replicação está relacionada à rapidez com que se pretende atingir os objetivos de recuperação.  A replicação da Veeam é quando você cria uma cópia exata de suas máquinas virtuais e as mantém prontas para serem ligadas instantaneamente em caso de falha. É como ter um “gêmeo” da sua VM sempre pronto para entrar em ação. Já a cópia da Veeam é mais como fazer um backup adicional para ter uma camada extra de proteção dos seus dados. Ambos são importantes para garantir a segurança e disponibilidade dos seus sistemas Qual É A Diferença Entre Veeam Backup E Cópia De VM? A diferença entre o Veeam Backup e a cópia de VM é a seguinte: O Veeam Backup é uma solução completa de backup que faz cópias dos seus dados e configurações de máquinas virtuais, permitindo a recuperação em caso de falhas ou perda de dados. A cópia de VM é mais focada em duplicar uma máquina virtual específica, muitas vezes para propósitos de teste, desenvolvimento ou para criar um ambiente de backup adicional.  Em resumo, o Veeam Backup é mais abrangente e voltado para a proteção de dados, enquanto a cópia de VM é mais específica e pode ter outros propósitos além da recuperação de dados.  Benefícios Estudos de Caso Separamos alguns estudos de caso sobre o uso do Veeam Backup & Replication. Confira: Empresa de Serviços Financeiros Uma grande empresa de serviços financeiros enfrentava desafios significativos na gestão de seu crescente volume de dados. A implementação do Veeam Backup & Replication permitiu à empresa realizar backups incrementais frequentes e replicar seus sistemas críticos para um site de recuperação de desastres. Como resultado, reduziu o RPO (Objective Point of Recovery) e o RTO (Objective Time of Recovery), minimizando potenciais interrupções operacionais. Instituição Educacional Uma instituição educacional com vastos dados de pesquisa e registros acadêmicos implementou o Veeam Copy And Replicate para proteger seus dados contra perdas e interrupções. A funcionalidade de recuperação instantânea provou ser vital após um incidente de ransomware, permitindo a rápida restauração dos sistemas afetados sem pagar o resgate. Conclusão O Veeam Copy And Replicate, como parte do Veeam Backup & Replication, oferece uma solução robusta e confiável para a gestão de dados e recuperação de desastres. Com suas funcionalidades avançadas e benefícios tangíveis, é uma ferramenta indispensável para empresas que priorizam a integridade e a disponibilidade dos dados. À medida que os desafios de gestão de dados continuam a evoluir, soluções como a Veeam desempenham um papel crucial em assegurar a resiliência e a continuidade dos negócios em um mundo digitalmente dependente Sem dúvida, a Veeam Copy and Replicate é uma das tecnologias mais confiáveis para garantir a continuidade das operações de negócios. Quer saber mais sobre e como contratá-lo para a sua empresa? Então, conheça a HLTI, uma empresa que oferece recursos de backup em nuvem e produtos Backup PRO e Veeam Backup & Replication.  Acesse o nosso site agora mesmo e encontre

Leia mais
veeam-virtual-lab

O Que É Veeam Virtual Lab E Como Funciona

Você conhece o Veeam Virtual Lab e como esse recurso funciona? Trata-se um laboratório prático da Veeam Backup, para ambientes de infraestrutura de backup empresarial, proporcionando uma experiência realista e prática.  É uma forma segura de testar a integridade dos seus backups e a disponibilidade. Quer conhecer um pouco mais dessa tecnologia, para que ela serve e como adotá-la na sua empresa? Confira o nosso artigo! Quem É A Veeam? A plataforma Veeam Backup & Replication, desenvolvida pela Veeam Software, líder em soluções de proteção de dados e backup, oferece uma gama abrangente de funcionalidades.  Além de realizar backups, restaurações e replicação de dados, ele também estrutura e automatiza o processo de disaster recovery, atendendo às demandas de empresas de todos os portes.  Projetado para proteger ambientes virtuais, físicos e em nuvem, o Veeam destaca-se pela sua simplicidade, confiabilidade e desempenho excepcional, proporcionando uma solução completa para as necessidades de backup e proteção de dados das organizações. O Que É Veeam Virtual Lab? O Veeam Virtual Lab é um laboratório prático da Veeam. Esta funcionalidade do software Veeam Backup & Replication, permite simular ambientes de produção usando os backups existentes. Basicamente, você pode testar restaurações de backup, verificações de segurança e atualizações de software sem impactar o ambiente de produção real. Esse recurso está disponível nas versões Enterprise e Enterprise Plus da Veeam, uma adição excepcional às capacidades já robustas do software. Esse sistema oferece uma abordagem proativa e segura para a gestão de configurações. Para Que Serve O Veeam Virtual Lab? O Veeam Virtual Lab serve para criar um ambiente isolado destinado a testes, tanto automatizados quanto manuais.  O principal objetivo é poder simular um ambiente de infraestrutura de backup sem interferir no ambiente de produção. Se pode detalhar em algumas funcionalidades: Quais Os Tipos De Configuração Do Veeam Virtual Lab Oferece? Para utilizar o Veeam Virtual Lab, é preciso conhecer os diferentes tipos de configuração, pois, assim, você consegue realizar essa etapa de maneira correta.  Laboratório Virtual Básico De Host Único Ideal para ambientes menores ou testes simples. Essa configuração permite a criação rápida de um laboratório virtual para testar backups ou mudanças pontuais em configurações de VMs individuais. Configuração Avançada (Advanced) Projetada para cenários mais complexos que exigem a simulação de múltiplas redes virtuais ou a inclusão de várias VMs. Essa configuração é útil para testar aplicações distribuídas que dependem de múltiplas VMs interconectadas ou para simular ambientes de rede mais complexos. Aplicação em Grupo (Application Group) Permite aos usuários definir um grupo de VMs que são necessárias para executar uma aplicação ou serviço específico. Isso é útil para testar aplicações multi-camadas ou serviços que dependem de várias VMs para funcionar corretamente. Os grupos de aplicativos garantem que todas as VMs necessárias sejam iniciadas na ordem correta dentro do Virtual Lab. Isolamento de Rede (Network Isolation) Uma característica chave do Virtual Lab é a capacidade de isolar a rede virtual do ambiente de produção, garantindo que os testes possam ser realizados sem impactar a rede real. Isso é alcançado através da criação de redes isoladas dentro do Virtual Lab, permitindo aos usuários simular diferentes configurações de rede e testar a comunicação entre VMs sem riscos. SureBackup e SureReplica Embora não sejam configurações de Virtual Lab per se, o SureBackup e o SureReplica são funcionalidades que utilizam o Virtual Lab para testar automaticamente a integridade dos backups e réplicas. O SureBackup é usado para verificar backups de VMs, enquanto o SureReplica foca na validação de réplicas de VMs. Ambas as funcionalidades automatizam o processo de teste, economizando tempo e garantindo a confiabilidade dos dados recuperáveis. Como Instalar o Veeam Virtual Lab? Para fazer a instalação do Veeam Virtual Lab, você precisa seguir os seguintes passos: Dicas Valiosas Seguem algumas dicas extraídas do artigo sobre Veeam Sure Backup, que podem ajudar muito na preparação das infraestruturas de backup. Seguem alguns pontos que precisam de atenção. É muito importante verificar as dicas abaixo, antes de ativar ambientes de testes. • Verifique se o ID da Vlan no swith isolado é diferente dos usados ​​na produção. • Verifique se você não possui placas de rede ativas no switch isolado. • Todo switch isolado precisa ser criado por meio do Veeam Server, na configuração do Virtual Lab. Se você criou o switch de forma manual, ele não funcionará. • Não use o switch isolado com o ID da vlan sendo (Ø ou 1) – é comum o uso da VLAN 1 como uma VLAN (Nativa), e os protocolos de gerenciamento (STP, CDP, DTP, entre outros) usam essa Vlan. Conclusão Em um mundo onde os dados são um dos ativos mais valiosos, o Veeam Virtual Lab é, sem dúvida, um aliado fundamental na proteção e na gestão eficaz. Ao oferecer um ambiente seguro e isolado para testes e validação de backups, patches de segurança, e planos de recuperação de desastres, o Virtual Lab não apenas minimiza os riscos associados a mudanças na infraestrutura de TI, mas também assegura a continuidade dos negócios com confiança. Sua capacidade de simular ambientes complexos sem exigir muitos recursos adicionais representa uma economia significativa de tempo e custos, ao mesmo tempo que promove uma cultura de proatividade e preparação. A incorporação do Veeam Virtual Lab na estratégia de proteção de dados de sua empresa não é apenas uma escolha inteligente; é um passo essencial em direção a uma resiliência digital robusta, garantindo que seus dados estejam seguros, recuperáveis, e sempre disponíveis, independentemente dos desafios que o futuro possa reservar.  Quer utilizar tecnologia da Veeam Backup & Replication com segurança? Então, conheça a HLTI, uma empresa que oferece recursos de backup em nuvem e produtos como Veeam Backup & Replication e Backup PRO.  Acesse o nosso site agora mesmo e encontre as melhores soluções para o backup de dados da sua empresa. 

Leia mais
integridade-dados

O Que É Integridade De Dados E Qual A Sua Importância

Você compreende qual a importância de garantir a integridade de dados para uma empresa?  Saiba que essa prática é essencial para a segurança da sua empresa, protegendo informações sensíveis e garantindo a privacidade contra ameaças cibernéticas e as mais diversas situações adversas, como falhas humanas, erros em sistemas e até desastres naturais.  Além disso, a integridade de dados garante que as informações mais relevantes para a operação de uma empresa permaneçam precisas e consistentes. Quer entender o que é integridade de dados, principais vantagens e como garantir a proteção das informações de maneira eficiente? Confira o nosso artigo! O Que É Integridade De Dados? A integridade de dados é, basicamente, a manutenção das propriedades originais de uma informação, mesmo diante de uma situação adversa, como falhas de hardwares, erros humanos ou em processos de integração, atualização ou migração.  Essa característica assegura a precisão e confiabilidade das informações armazenadas em um sistema, garantindo que elas não tenham sido alteradas, corrompidas ou comprometidas de forma não autorizada. Por Que A Integridade De Dados É Importante? A integridade de dados, como mencionamos, proporciona a confiabilidade, precisão e utilidade das informações armazenadas em sistemas variados.  Ela é essencial, hoje em dia, principalmente, porque o volume de dados digitais que circulam em empresas está em constante crescimento.  Com os avanços da tecnologia e a digitalização de processos, as organizações lidam com uma quantidade cada vez maior de informações críticas para suas operações.  Nesse contexto, a integridade de dados assegura que as informações e arquivos  não sejam corrompidos, adulterados ou comprometidos de forma não autorizada, mantendo sua originalidade. Isso é especialmente importante para manter a eficácia das operações, proporcionar a precisão das análises e relatórios gerenciais, além de cumprir com os requisitos regulatórios de proteção de dados.  Lembre-se que a ausência de integridade de dados expõe as empresas a riscos variados, que podem impactar negativamente a produtividade, operação e até mesmo a reputação da empresa.  Quais Os Tipos De Integridade De Dados? Existem diferentes tipos de integridade de dados, cada uma com suas peculiaridades e funcionalidades. Confira: 1 – Integridade Física A integridade física é aquela que garante a totalidade e precisão das informações enquanto são armazenadas. Está ligada diretamente ao hardware (equipamento) onde a informação está gravada. Nesse contexto, ela pode ser comprometida diante de situações, que incluem desastres naturais ou paralisações provocadas por defeitos no hardware, além de erros humanos e problemas de armazenamento, como já mencionamos. 2 – Integridade Lógica A integridade lógica foca em garantir que os dados se mantenham precisos e consistentes ao longo das operações, como atualizações, inserções e exclusões, evitando, por exemplo, duplicidades ou violações de regras de negócios  Ao garantir a proteção adequada, as informações ou arquivos são protegidos diante de possíveis erros humanos e ataques cibernéticos. Na integridade lógica, existem diferentes tipos de proteção: Integridade Da Entidade A integridade de dados da entidade está relacionada a um banco de dados, onde os  elementos como colunas, linhas e tabelas precisam ser adequados em quantidade, sem que haja excessos desnecessários. Somado a isso, é importante que os dados não sejam duplicados nem nulos. Integridade Referencial Já a integridade referencial está associada aos processos que asseguram uma utilização consistente e uniforme dos dados.  Ao aplicar regras adequadas ao banco de dados e criar chaves de acesso, é possível garantir que apenas alterações, adições e exclusões apropriadas sejam feitas.  Essas regras podem ser as seguintes: evitar dados duplicados, garantir a precisão dos dados adicionados e proibir a inclusão de informações irrelevantes para o sistema. Integridade De Domínio Foca na validação dos valores de campo dentro de um registro de banco de dados. A integridade de domínio é mantida por meio de restrições que limitam os tipos de dados, os intervalos de valores ou os conjuntos específicos de valores que podem ser armazenados em uma coluna. Por exemplo, um campo destinado a armazenar a idade de uma pessoa pode restringir os valores a números inteiros entre 0 e 120. A integridade de campo refere-se a uma variedade de processos que proporcionam a precisão de cada componente dos dados dentro de um campo específico.  Integridade Definida Pelo Usuário Já a integridade de dados refere-se a regras de negócio específicas que não se enquadram nas categorias de integridade anteriores.  Essas regras são definidas pelos usuários ou desenvolvedores para garantir que os dados aderem a certos critérios lógicos que se aplicam ao contexto específico da aplicação. Por exemplo, uma regra de integridade de usuário pode garantir que o saldo de uma conta bancária não se torne negativo. Integridade de Dados Transacionais Assegura que as transações sejam executadas de forma confiável e que o banco de dados permaneça em um estado consistente antes e após as transações. Isso inclui princípios como a atomicidade, consistência, isolamento e durabilidade (ACID) das transações. Cada um desses tipos de integridade lógica desempenha um papel vital na manutenção da qualidade e confiabilidade dos dados dentro de sistemas de informação.  Implementar essas formas de integridade ajuda a prevenir erros de dados, a garantir a precisão das análises e relatórios e a apoiar processos de tomada de decisão fundamentados em dados confiáveis. Quais As Principais Ameaças À Integridade De Dados? A integridade de dados é uma estratégia que pode proteger informações e arquivos diante das mais diversas situações. confira quais são as principais: Erro Humano Erro humano é uma das principais ameaças à integridade de dados. Nesse caso, entre as falhas mais comuns, podemos citar inserção incorreta de dados, exclusão acidental de informações importantes ou manipulação inadequada dos dados. Esses erros podem resultar em dados imprecisos, incompletos ou inutilizáveis, comprometendo a integridade das informações armazenadas, o que pode levar a decisões erradas, perda de confiança dos usuários e clientes, fraudes, etc. Erros De Transferência Já os erros de transferência são aqueles que acontecem em processos de movimentação de dados entre sistemas ou dispositivos por conta de diferentes fatores, como problemas de conectividade, interrupções na rede ou falhas no processo de transmissão dos dados. Esses erros geram corrupção ou perda de dados, podendo

Leia mais
sure-backup

Entenda Como Funciona o Veeam SureBackup

O Veeam SureBackup é uma solução usada para garantir a integridade e a disponibilidade de dados de empresas e organizações diante de ameaças cibernéticas e incidentes, que envolvem o comprometimento de informações sensíveis. Com o avanço tecnológico e o aumento do volume de dados críticos, proteger e recuperar esses arquivos digitais tornou-se uma prioridade para organizações de diferentes setores e portes.  Nesse sentido, o Veeam SureBackup tem ganhado espaço no mercado por oferecer uma  solução abrangente e confiável para a verificação de backups em ambientes virtualizados.  Essa tecnologia foi desenvolvida com uma abordagem única e proativa com o objetivo de simular uma possível restauração de máquina virtual no ambiente de produção. Quer entender como o Veeam SureBackup funciona, recursos e como contratar esse serviço? Então, continue lendo o nosso artigo! O Que É Veeam Sure Backup? O Veeam SureBackup é uma tecnologia exclusiva da Veeam desenvolvida para realizar a recuperação segura da Máquina Virtual, que passa pelo processo de backup.  Nesse sentido, o SureBackup permite validar backups e réplicas das suas máquinas virtuais sem impactar a infraestrutura de produção. Ao usar essa tecnologia, é possível verificar automaticamente cada ponto de restauração criado para cada máquina virtual, garantindo que eles funcionem conforme esperado em caso de um desastre.  Além disso, os relatórios fornecidos pelo sistema permitem a identificação de problemas, que podem ocorrer na operação da sua infraestrutura de backup.  Qual A Função E Aplicabilidade Do Surebackup? O SureBackup tem a função principal de proteger dados críticos e assegurar a continuidade operacional em caso de ameaças cibernéticas, desastres naturais e falhas de hardware. A verificação de backups é essencial para garantir não apenas a existência dos dados de backup, mas também a capacidade de restauração bem-sucedida Nesse sentido, essa tecnologia cria um ambiente isolado, utilizando as imagens armazenadas no repositório de backup, para realizar uma validação concreta dos backups.  A versatilidade desse ambiente também permite que o sistema seja usado na área de homologação, pré-produção, validação de backup ou até mesmo integrar práticas DevOps.  O SureBackup possui uma abordagem multifuncional, que amplia suas capacidades, simplificando também as operações diárias de gestão do ambiente. Como Funciona O Surebackup? O SureBackup opera mediante a criação de um ambiente isolado por meio de arquivos armazenados no repositório de backup para validar o processo e tornar os backups mais mais abrangentes. O Surebackup faz uma simulação de um ambiente produtivo, permitindo a execução de verificações personalizadas conforme as especificações da sua empresa.  Imagine que após o seu processo de backup concluir, o SureBackup simula a restauração do backup em um ambiente clone totalmente isolado. Ao criar esse ambiente isolado e controlado, o SureBackup realiza a validação não apenas da existência dos dados, mas também da capacidade de inicialização bem-sucedida das máquinas virtuais, garantindo, a integridade das cópias de segurança em situações de desastre ou ataques cibernéticos.  Qual A Importância do Surebackup? O SureBackup é uma tecnologia que vem se destacando, principalmente, por conta dos seus recursos e vantagens que o torna um dos melhores sistemas de proteção e recuperação de dados.  Listamos alguns dos principais benefícios, confira: Verificação Da Integridade Das Cópias De Segurança O SureBackup garante a integridade das cópias de segurança por meio da criação de ambientes isolados e simulações realistas, verificando não apenas a existência dos dados, mas também a capacidade de inicialização bem-sucedida das máquinas virtuais. Com isso, o sistema possibilita que as cópias de segurança estejam íntegras, prevenindo erros e surpresas nos processos de recuperação. Garantir A Recuperação Bem-Sucedida O SureBackup é capaz de garantir recuperações bem-sucedidas, o que proporciona maior resiliência operacional.  Isso acontece porque ao validar automaticamente cada ponto de restauração, a tecnologia proporciona confiança na efetividade do processo de recuperação. Dessa forma, as empresas podem garantir a continuidade operacional, principalmente diante em situações críticas. Cumprimento Dos Acordos De Nível De Serviço (SLAs) O SureBackup também auxilia no cumprimento dos Acordos de Nível de Serviço (SLAs), possibilitando que os requisitos de tempo e eficácia na recuperação sejam atendidos de forma adequada. Com isso, a organização promove a confiança dos clientes e parceiros de negócios, preservando a reputação da companhia e a credibilidade da organização diante do mercado. Economia De Tempo Na Recuperação De Desastres Essa tecnologia auxilia ainda na economia de tempo durante o processo de recuperação de desastres. Isso acontece, pois, ao automatizar e agendar verificações regulares, o SureBackup diminui o tempo de processamento na recuperação de desastres, trazendo recuperação mais assertivas.  Sem contar que a validação automatizada e a identificação antecipada de problemas minimizam o tempo de inatividade, conferindo uma resposta rápida e eficiente em situações críticas. Identificação Precoce De Problemas O SureBackup também consegue identificar precocemente problemas nos backups por meio das simulações de ambientes produtivos. Isso porque, essa solução detecta falhas ou inconsistências, auxiliando nas correções proativas antes da ocorrência de eventos críticos, fortalecendo, assim, a confiabilidade dos dados e reduzindo os riscos operacionais. Automação E Agendamento A automação e agendamento fornecidos pela tecnologia também facilitam a integração de processo de backup na rotina operacional.  Isso acontece porque a tecnologia realiza verificações sem intervenção manual de forma regular, otimizando os processos, aumentando a eficiência operacional e mantendo a consistência nas práticas de verificação, garantindo a confiabilidade contínua dos backups. Quais Os Principais Requisitos do Surebackup? Para fazer a configuração correta do sistema SureBackup, é necessário levar em consideração alguns requisitos. O primeiro deles podemos citar o hardware, que deve possuir recursos adequados para suportar a criação de ambientes isolados e simulações realistas.  Dessa forma, é preciso analisar se, de fato, a capacidade de armazenamento é suficiente para restaurar as imagens de backup.  Além disso, o processamento para a virtualização de máquinas precisa ser robusto, assim como ter memória adequada para garantir a execução tranquila das simulações.  Além disso, outro requisito importante nesse contexto é a existência de uma infraestrutura de rede resiliente para facilitar a comunicação entre as máquinas virtuais durante o processo de verificação. No que se refere ao software, é preciso garantir a compatibilidade e integração adequada com o ambiente virtualizado. 

Leia mais
microsoft-365-backup

Confira Tudo Sobre O Veeam Backup para Microsoft 365

Em um mundo onde os processos de negócio são cada vez mais digitais e fundamentais para o funcionamento das empresas, proteger os dados tornou-se uma necessidade inegociável. O Microsoft 365, com seu conjunto abrangente de ferramentas de produtividade, se tornou essencial para o dia a dia das empresas. No entanto, apesar de sua conveniência e poder, muitos se perguntam sobre a segurança e a proteção de seus dados dentro do ecossistema Microsoft 365. É aqui que o Veeam Backup para Microsoft 365 entra em cena, garantindo que os dados críticos estejam sempre protegidos. Neste post, vamos explorar tudo o que você precisa saber sobre essa solução indispensável. O Que É Microsoft 365? O Microsoft 365, anteriormente conhecido como Office 365, é uma suíte abrangente de ferramentas de produtividade e colaboração oferecida pela Microsoft. Destinada tanto a usuários individuais quanto a organizações de todos os tamanhos, essa plataforma combina aplicativos tradicionais de escritório com serviços avançados de comunicação e colaboração, tais como Excel, Word, Powerpoint, Access, Teams, Sharepoint e vários outros. Lançado inicialmente em 2011 como Office 365, o Microsoft 365 evoluiu de um conjunto de aplicativos de escritório para uma solução integrada que combina a eficácia dos softwares de desktop com a flexibilidade dos serviços baseados em nuvem. Em 2022, a Microsoft introduziu o nome Microsoft 365 para representar melhor a gama expandida de recursos e serviços. Desde então, a plataforma tem recebido atualizações contínuas, adicionando novas funcionalidades e melhorando a integração entre os serviços. Por Que Preciso Fazer Backup Do Microsoft 365? Adotar uma rotina de backup do Microsoft 365 é essencial por diferentes motivos, mas principalmente em razão da possibilidade da ocorrência de incidentes, incluindo ameaças externas e ameaças internas. Entenda quais são estas ameaças a seguir: Ameaças Externas As ameaças externas, aquelas do lado de fora da sua empresa, evoluíram de simples tentativas de invasão para esquemas complexos e sofisticados. Os malwares continuam sendo ameaças significativas. No entanto, o cenário mudou drasticamente nos últimos anos. Ataques de phishing, onde os usuários são enganados para revelar informações confidenciais, tornaram-se comuns. Esses ataques evoluíram para o spear phishing, visando indivíduos ou organizações específicas com mensagens altamente personalizadas. Outra ameaça significativa é o ransomware, que criptografa os dados da vítima, exigindo um resgate para sua liberação. Os ataques de ransomware tornaram-se notoriamente sofisticados.  Os ataques de força bruta são outro tipo de ameaça ao seu ambiente Microsoft 365. É um um método de tentativa e erro usado para obter a senha. Nesse tipo de ataque, o invasor tenta adivinhar a senha correta testando todas as possíveis combinações até encontrar a correta. Geralmente, o ataque começa com as suposições mais prováveis e, usando um software, realiza tentativas automáticas em alta velocidade.  Embora eficazes contra sistemas com senhas fracas ou padrões previsíveis, ataques de força bruta são demorados e podem ser mitigados por medidas de segurança como limitação de tentativas de login, exigência de senhas complexas e uso de autenticação de múltiplos fatores. Outra ameaça externa são os ataques de Day Zero, explorando vulnerabilidades não conhecidas anteriormente em softwares, também representam sérias ameaças. Ameaças Internas Todas as empresas e organizações estão sujeitas a ter em seu quadro de colaboradores que, por inúmeros motivos, podem atuar deliberadamente para comprometer dados sensíveis da companhia.  As ameaças internas evoluíram significativamente com a digitalização dos locais de trabalho.  Inicialmente, preocupações com segurança interna giravam em torno de funcionários descontentes que poderiam, intencionalmente, prejudicar sistemas físicos ou roubar documentos impressos. No entanto, a transição para ambientes digitais ampliou o escopo e a escala potenciais dessas ameaças.  Funcionários com acesso privilegiado agora têm a capacidade de causar danos extensivos, intencionalmente ou por negligência, aos recursos digitais de uma organização. Acontece com frequência de os funcionários sofrerem ataques de engenharia social. Esta é uma grande ameaça e convém preparar os funcionários com treinamentos. Ameaças internas podem se manifestar de várias formas, desde o vazamento não intencional de informações devido a negligência até atos maliciosos de sabotagem ou espionagem. A introdução de dispositivos pessoais no ambiente de trabalho (BYOD – Bring Your Own Device) e o acesso remoto exacerbaram esses riscos, ampliando as possibilidades de ataque. Um exemplo relevante de ameaça é o incidente em que um funcionário insatisfeito utiliza seu acesso para excluir caixas de correio no Outlook, Exchange Online ou arquivos no SharePoint, interrompendo as operações comerciais.  Este ato de sabotagem ilustra o potencial de danos que um único indivíduo pode causar. Outro exemplo envolve o compartilhamento acidental de documentos confidenciais através do OneDrive ou do SharePoint.  Um funcionário pode, sem intenção, configurar as permissões de compartilhamento de modo que informações sensíveis fiquem acessíveis a pessoas não autorizadas, interna ou externamente. Um dos incidentes mais comuns é a exclusão acidental de ativos digitais. Isso, normalmente, ocorre quando usuários apagam involuntariamente dados importantes para as companhias.  Existe a lixeira, mas os dados ficam guardados nela em até 30 dias, depois são excluídos automaticamente. Então se algum colaborador excluir informações e se der conta somente 40 dias depois, não terá como recuperar a informação da lixeira. Nesse caso, se a empresa não tiver uma rotina de backup, a recuperação desses dados pode ser difícil ou até impossível, o que pode comprometer a continuidade das operações e a integridade das informações. O Que Diz A Microsoft Sobre Backup? O Contrato de Licenciamento para o Usuário Final (EULA) do Microsoft 365 contém informações cruciais sobre sua usabilidade, condições de uso e responsabilidades. Ao instalar o Microsoft 365 nos computadores ou ao optar pelo uso na nuvem, o EULA é sempre apresentado, mas muitas pessoas não se dedicam à leitura do contrato, simplesmente aceitando e avançando.  No entanto, este documento aborda pontos significativos, destacando que a Microsoft não assume responsabilidade por garantir backups dos dados do usuário em seus sistemas.  A seção 6b do EULA, que trata das garantias da empresa para os usuários, especifica que a Microsoft não garante a integridade ou disponibilidade dos dados em caso de interrupção dos serviços.  O trecho exato sobre os serviços de backup do Office

Leia mais
phishing

Descubra O Que É Phishing, Tipos E Exemplos

Você sabe o que é phishing e como essa ameaça cibernética pode trazer sérios danos para a operação da sua empresa?  Sabemos que a revolução digital e a expansão das redes de comunicação trouxeram inúmeros benefícios, transformando a maneira como as empresas interagem com o mundo, porém, elas também trouxeram desafios em termos de segurança cibernética.  O acesso facilitado à internet e a dependência de plataformas online, infelizmente, abre portas para a exploração maliciosa de redes e sistemas, principalmente, das empresas.  O phishing é uma forma sofisticada de ataque virtual, que coloca em risco a segurança cibernética e a integridade dos dados corporativos.  Para proteger a sua empresa de ameaças cibernéticas, é importante conhecer como funciona esse tipo de ataque e como garantir a segurança dos seus ativos. Vem com a gente! O Que É Phishing? O phishing é uma técnica de engenharia social usada por criminosos para enganar indivíduos e obter informações confidenciais, como senhas, detalhes de cartões de crédito, informações de contas bancárias, e outras informações pessoais. Essa ação ocorre por meio do envio de e-mails, mensagens instantâneas ou pelas redes sociais. Normalmente, os criminosos enviam mensagens disfarçadas de comunicações  legítimas de fontes confiáveis, como bancos, empresas ou serviços online familiares. O objetivo principal do phishing é convencer as vítimas, fazendo-as acreditar que estão interagindo com uma entidade confiável.  Os hackers, muitas vezes, utilizam técnicas de engenharia social, manipulação psicológica e design de mensagens convincentes para persuadir as pessoas a clicarem em links maliciosos ou baixarem anexos infectados. Ao clicar em um link fornecido na mensagem de phishing, a vítima pode ser redirecionada para um site falso, que se assemelha muito ao legítimo.  Nesse site, ela pode ser solicitada a inserir informações sensíveis, como senhas, números de cartões de crédito ou informações pessoais. Esses dados são, então, capturados pelos criminosos, que os utilizam para diversos fins maliciosos, incluindo fraudes financeiras, roubo de identidade e outros crimes cibernéticos. A História Do Phishing O phishing surgiu na década de 1990 para obter informações confidenciais. O termo tem origem na palavra “fishing”, que em português quer dizer pescaria.  Dessa forma, o termo traz a ideia de lançar iscas com a expectativa de fisgar vítimas desavisadas.  No início, os ataques de phishing tinham recursos limitados, porém, com o passar dos anos, os métodos evoluíram, adotando novas técnicas, como a criação de sites falsos que imitam plataformas legítimas.  Nos últimos anos, o phishing também passou a explorar novos canais de comunicação, como mensagens instantâneas e redes sociais, sendo uma ameaça significativa e em constante evolução no cenário cibernético global. Como Funciona O Ataque Phishing? Os ataques de phishing funcionam a partir de ferramentas digitais, como e-mails, mensagens, aplicativos de mensagens instantâneas e até redes sociais.  A maioria das vezes, os cibercriminosos enviam mensagens disfarçadas de comunicação legítimas de fontes, como bancos, empresas ou serviços online familiares.  Nesse sentido, essas mensagens criam uma falsa sensação de urgência ou emergência, levando as vítimas a agir de maneira precipitada ao clicar em links maliciosos ou baixar anexos fraudulentos. Com isso, os usuários expõem seus dados confidenciais, abrindo acesso não autorizada aos dispositivos, computadores, redes e sistemas pessoais ou de uma empresa.  Quais Os Tipos De Ataques De Phishing? Os ataques de  phishing utilizam de diferentes canais digitais para enganar as vítimas, como mencionamos anteriormente. Para que possa entender o funcionamento em cada rede, detalhamos cada tipo de ataque de phishing logo abaixo. Confira: Listamos os principais, confira: E-mail phishing O e-mail phishing é uma ação hacker que envia mensagens de e-mail falsas disfarçadas de comunicações legítimas de empresas, instituições financeiras ou serviços online confiáveis.  Esses emails são projetados para parecer legítimos, muitas vezes imitando a aparência e o tom de comunicações de empresas, serviços de internet, ou instituições financeiras conhecidas. Os ataques de email phishing geralmente incentivam o destinatário a tomar uma ação imediata, como clicar em um link ou abrir um anexo. Esses links podem levar a páginas de login falsas que imitam sites legítimos para capturar credenciais de usuário, ou podem iniciar o download de malware no dispositivo da vítima. Os anexos, por outro lado, podem conter software malicioso projetado para obter acesso não autorizado a informações pessoais ou à rede da vítima. Spear Phishing Já o spear phishing é um método mais direcionado de ataque, onde os hackers personalizam suas ações para alvos específicos, como indivíduos ou empresas.  Nesse sentido, eles coletam dados detalhados sobre a vítima, tornando a comunicação ainda mais real e convincente, o que dificulta a detecção da fraude. Esse tipo de phishing é enviado por mensagens ou emails.  Smishing – SMS Phishing O smishing, chamada também de phishing por SMS, é um métodos onde os hackers usam mensagens de texto fraudulentas para enganar as vítimas.  Essas mensagens possuem links maliciosos ou solicitam que os usuários respondam com dados pessoais.  Vishing – Phishing por Telefone O vishing, chamado também de phishing por telefone, envolve o uso de chamadas telefônicas para enganar as vítimas.  Normalmente, os criminosos passam por representantes de instituições financeiras, órgãos governamentais ou outras entidades confiáveis, na tentativa de obter informações sensíveis, como números de cartões de crédito ou senhas.  Quais São Os E-Mails De Phishing Mais Comuns? Os e-mails de phishing mais comuns adotam uma série de metodologias enganosas, no sentido de explorar a confiança e induzir as vítimas a divulgar dados sensíveis.  Entre os tipos comuns de e-mails de phishing estão aqueles que simulam alertas de segurança, solicitando a atualização urgente de senhas ou dados de contato. Somado a isso, há também e-mails de phishing que simulam cobranças, muitas vezes, alegando problemas que requerem ações imediatas, solicitando clicar em um link ou baixar um arquivo, por exemplo.  Há aqueles e-mails de phishing que informam que o usuário ganhou prêmios, descontos ou pode ter acesso a oportunidades financeiras únicas e imperdíveis.  Como Identificar Um Ataque De Phishing? Para proteger a sua empresa de ações phishing, é preciso conhecer as suas formas de operações para identificar rapidamente um possível ataque. Entenda: Endereço De Email Diferente Uma das

Leia mais

2022. Todos os direitos reservados. Criado por @setezeromeia.