O Que É Disaster Recovery E Principais Vantagens

disaster-recovery

Desastres podem ocorrer a qualquer momento e em qualquer lugar, e muitas empresas não estão preparadas para lidar com suas consequências. Incêndios, inundações, terremotos, furacões, entre outros, podem causar danos físicos e interromper operações comerciais. 

Além disso, a ameaça de ataques cibernéticos, como ransomware e malware, também aumentou significativamente, deixando as empresas vulneráveis a perda de dados, tempo de inatividade e interrupção das operações.

Para evitar ou minimizar os efeitos desses eventos, é crucial que as empresas desenvolvam um plano de Disaster Recovery adequado, também chamado de plano de recuperação de desastres

A implementação de um plano Disaster Recovery bem-sucedido envolve muitos aspectos, incluindo a identificação dos recursos e tecnologias necessários para restaurar as operações críticas da empresa, a implementação de medidas de segurança para garantir a integridade e confidencialidade dos dados e a realização de testes regulares para assegurar a eficácia do plano.

Em última análise, um plano de recuperação de desastres pode ajudar a minimizar o tempo de inatividade, reduzir as perdas financeiras, proteger a reputação da empresa e manter a continuidade das operações comerciais.

É fundamental que todas as empresas, independentemente do tamanho ou setor, adotem medidas proativas para garantir que estejam preparadas para lidar com qualquer eventualidade.

Disaster Recovery são estratégias e planos  para possibilitar que uma empresa possa recuperar sua estrutura de TI de forma rápida na ocorrência de falhas de sistemas ou outros incidentes graves.

Quer entender melhor o que é disaster recovery, como identificar se você precisa pensar em adotar e quais as principais vantagens no seu negócio? Confira tudo no nosso artigo!

O Que É Disaster Recovery?

Disaster Recovery é um termo em inglês que quer dizer recuperação de desastres.

Consiste, basicamente, em um conjunto de planos e estratégias que visam a segurança e recuperação de uma empresa em caso de desastres, falhas e imprevistos. 

Essa estratégia atua, na verdade, como uma ação preventiva e de recuperação para que a empresa não tenha suas atividades interrompidas. 

Definição De Recuperação De Desastres De TI

A Recuperação de Desastres de TI é uma parte crítica da estratégia de continuidade dos negócios, projetada para permitir que uma empresa se recupere rapidamente de incidentes inesperados que afetam seus sistemas de informação.

Pense nisso como um plano de evacuação para os dados e sistemas de uma organização, onde o objetivo é minimizar a interrupção e restaurar as operações o mais rápido possível.

Esse processo envolve uma série de ações preparatórias, como o backup regular de dados em locais seguros e a definição de procedimentos para restaurar sistemas críticos para o estado operacional após um desastre, seja ele causado por falhas humanas, ataques cibernéticos, desastres naturais ou falhas de tecnologia.

O cerne da Disaster Recovery de TI está na identificação dos recursos de TI essenciais para a operação do negócio e no estabelecimento de acordos de nível de serviço (SLAs) para a recuperação e a restauração desses recursos.

Isso inclui definir quais sistemas precisam ser recuperados primeiro, baseando-se em sua importância para a continuidade dos negócios, e determinar o tempo máximo de interrupção aceitável para cada um deles.

O sucesso de um plano de Disaster Recovery depende de testes regulares e atualizações, assegurando que, quando um desastre realmente ocorrer, a empresa esteja pronta para responder de forma eficaz e eficiente, reduzindo o impacto nas operações comerciais e na reputação da empresa.

Em resumo, a Disaster Recovery de TI não é apenas uma política de seguro para a infraestrutura tecnológica da empresa; é uma garantia de que a empresa pode resistir e se recuperar rapidamente de interrupções, mantendo a continuidade dos negócios.

O Que É Considerado Um Desastre?

No contexto empresarial, um “desastre” é qualquer evento inesperado e significativo que tem o potencial de interromper as operações de negócios, causando danos substanciais ou perdas.

Pode variar desde desastres naturais, como terremotos, inundações e furacões, até problemas tecnológicos, como falhas de hardware, ataques cibernéticos, ou mesmo erros humanos graves. 

O que todos esses eventos têm em comum é a sua capacidade de impactar negativamente a continuidade dos negócios, seja por meio da perda de dados críticos, danos a infraestruturas físicas ou tecnológicas, ou uma combinação de ambos.

A magnitude de um desastre não é medida apenas pela sua intensidade imediata, mas também pelo efeito cascata que pode ter nas operações de uma empresa. 

Por exemplo: um ataque cibernético que compromete dados sensíveis pode não apenas exigir uma parada operacional para correção, mas também resultar em perda de confiança dos clientes, danos à reputação e possíveis penalidades legais. 

Da mesma forma, uma falha de hardware pode interromper serviços essenciais, levando a perdas de receita e aumento dos custos operacionais.

Por essas razões, é crucial para as empresas não apenas identificar potenciais riscos e ameaças, mas também desenvolver e manter um plano de recuperação de desastres abrangente.

Este plano é a chave para minimizar o impacto de desastres, permitindo uma resposta rápida e eficaz que pode salvar dados importantes, preservar a reputação da empresa e, em última análise, garantir a sua sobrevivência a longo prazo.

Reconhecer a ampla gama de eventos que podem constituir um desastre é o primeiro passo crucial na preparação e fortalecimento das defesas empresariais contra tais ocorrências.

Como Funciona A Recuperação De Desastres?

Em um mundo digitalmente interconectado, onde empresas dependem cada vez mais da tecnologia para conduzir suas operações, a segurança dos dados e a continuidade dos negócios se tornaram imperativos incontestáveis.

Diante dessa realidade, a recuperação de desastres emerge como uma estratégia essencial para garantir a resiliência empresarial. Vamos explorar como esse processo funciona nos aspectos da prevenção, antecipação e mitigação.

Prevenção

A prevenção é um pilar fundamental na estratégia de Disaster Recovery, abrange uma série de medidas e práticas destinadas a evitar a ocorrência de eventos adversos que possam impactar as operações de uma empresa.

Este estágio é crucial porque, ao implementar as salvaguardas apropriadas, muitos desastres podem ser totalmente evitados ou, pelo menos, ter seu impacto significativamente reduzido.

A seguir, detalhamos os componentes chave da prevenção:

Avaliação de Riscos

O primeiro passo eficaz na prevenção é realizar uma avaliação de riscos abrangente para identificar todas as potenciais ameaças à infraestrutura de TI e aos dados da empresa. 

Isso inclui ameaças naturais, como inundações ou terremotos, e ameaças cibernéticas, como malware e ataques de ransomware.

Compreender esses riscos permite que a empresa priorize quais ameaças necessitam de mais atenção e recursos.

Implementação de Controles de Segurança

Com base na avaliação de riscos, a empresa deve implementar controles de segurança adequados. 

Isso pode incluir soluções tecnológicas, como software antivírus, firewalls, e sistemas de detecção de intrusão, assim como políticas de segurança, incluindo autenticação de dois fatores, criptografia de dados sensíveis, e políticas de senha fortes.

Gerenciamento de Patch e Atualização

Manter o software e os sistemas operacionais atualizados é vital para proteger contra vulnerabilidades conhecidas que os criminosos cibernéticos exploram. 

Um programa de gerenciamento de patch eficaz garante que todas as atualizações de segurança sejam aplicadas de maneira oportuna.

Educação e Treinamento de Funcionários

Os funcionários são frequentemente o elo mais fraco na segurança cibernética.

A educação e o treinamento regulares podem aumentar a conscientização sobre as melhores práticas de segurança, incluindo a identificação de phishing e outras táticas de engenharia social.

Backups de Dados

A realização regular de backups de dados é uma medida preventiva essencial. 

Esses backups devem ser armazenados em um local seguro, preferencialmente fora do site, para garantir que possam ser recuperados no caso de um desastre físico ou cibernético que afete os dados locais.

Planejamento de Continuidade de Negócios (PCN)

Embora intimamente relacionado à Disaster Recovery, o PCN foca na manutenção das operações críticas da empresa durante e após um desastre. 

Isso inclui a identificação de funções críticas de negócios e a alocação de recursos adequados para garantir sua continuidade.

Ao focar na prevenção, as empresas não apenas aumentam sua resiliência contra desastres, mas também estabelecem uma cultura de segurança que permeia todas as áreas de operação. 

Isso cria um ambiente de negócios mais seguro e confiável, protegendo tanto os ativos digitais quanto a reputação da empresa no mercado.

Antecipação

Antecipar-se aos potenciais desastres é uma estratégia crucial para assegurar a resiliência empresarial e mitigar os impactos adversos que podem surgir de eventos imprevistos.

Esta fase não se trata apenas de reconhecer os riscos iminentes, mas também de adotar uma abordagem proativa para identificar, analisar e preparar-se para mitigar essas ameaças.

Abaixo estão alguns aspectos-chave a serem considerados na antecipação de desastres:

Análise Detalhada de Riscos

A antecipação começa com uma análise detalhada e sistemática dos riscos potenciais que uma empresa enfrenta. 

Isso pode incluir uma variedade de fatores, desde desastres naturais até falhas de infraestrutura, passando por ameaças cibernéticas e até mesmo crises de saúde pública, como a pandemia COVID-19. 

Ao compreender completamente esses riscos, as organizações podem priorizar seus recursos e esforços de preparação para os cenários mais prováveis e impactantes.

Identificação de Ativos Críticos

Durante o processo de antecipação, é fundamental identificar e classificar os ativos críticos da empresa, como dados essenciais, sistemas de TI, instalações físicas e recursos humanos. 

Compreender quais ativos são mais vitais para as operações permite uma alocação mais eficiente de recursos na implementação de medidas de proteção e recuperação.

Desenvolvimento de Planos de Contingência Personalizados

Com base na análise de riscos e na identificação de ativos críticos, as empresas podem desenvolver planos de contingência personalizados para uma variedade de cenários de desastres. 

Esses planos devem ser abrangentes e detalhados, abordando aspectos como comunicação de emergência, evacuação de instalações, backup de dados, recuperação de sistemas e continuidade das operações essenciais.

Simulações e Exercícios de Treinamento

A prática é fundamental para garantir a eficácia dos planos de contingência. 

Realizar simulações regulares e exercícios de treinamento permite que as equipes se familiarizem com os procedimentos de resposta a emergências, identifiquem áreas de melhoria e desenvolvam a confiança necessária para lidar com situações de crise de forma eficaz e coordenada.

Monitoramento Contínuo e Atualização

A antecipação não é um esforço único, mas sim um processo contínuo e em evolução.

À medida que o ambiente de ameaças e as necessidades da empresa mudam, é crucial que os planos de contingência sejam revisados e atualizados regularmente. 

Além disso, o monitoramento constante das condições externas e internas permite uma resposta mais ágil a novas ameaças e desafios emergentes.

A antecipação na Disaster Recovery envolve mais do que simplesmente reconhecer os riscos; trata-se de adotar uma abordagem proativa e estratégica para identificar, preparar-se e mitigar os impactos adversos que os desastres podem causar. 

Ao investir tempo e recursos na antecipação, as empresas podem fortalecer sua capacidade de resistir a crises e garantir a continuidade das operações, mesmo nas circunstâncias mais desafiadoras.

Mitigação

Mitigar os efeitos de um desastre é uma etapa crítica na recuperação de uma empresa após a ocorrência de um evento adverso. 

A mitigação visa limitar os danos causados pelo desastre e acelerar a restauração das operações normais. Aqui estão algumas estratégias fundamentais de mitigação:

Resposta Imediata e Contenção

Uma resposta rápida é essencial para conter os danos logo após a ocorrência de um desastre. 

Isso pode envolver a ativação imediata dos planos de contingência, a mobilização de equipes de resposta de emergência e a implementação de medidas para evitar que o desastre se agrave. 

Por exemplo, em caso de incêndio, é crucial extinguir o fogo o mais rápido possível para evitar sua propagação para outras áreas.

Priorização de Ativos Críticos

Durante a fase de mitigação, é importante priorizar a recuperação de ativos críticos que são essenciais para as operações comerciais.

Isso pode incluir sistemas de TI fundamentais, dados vitais, equipamentos de produção-chave e instalações críticas. 

Ao concentrar os esforços de recuperação nos ativos mais importantes, a empresa pode minimizar o impacto do desastre em suas operações e acelerar a retomada das atividades normais.

Recuperação de Dados e Sistemas

Para muitas empresas, a recuperação de dados é uma das principais prioridades após um desastre. 

Isso pode envolver a restauração de backups de dados, a reparação de sistemas danificados e a implementação de medidas para proteger os dados contra perda ou corrupção adicional. 

É importante garantir que os procedimentos de recuperação de dados sejam realizados de forma segura e eficiente, para evitar a perda irreparável de informações valiosas.

Restauração de Serviços Críticos

Além da recuperação de dados, a mitigação também envolve a restauração de serviços essenciais para as operações comerciais. 

Isso pode incluir a reinstalação de servidores, a reparação de infraestrutura danificada e a retomada de processos de negócios críticos. 

Ao priorizar a restauração de serviços-chave, a empresa pode minimizar o tempo de inatividade e garantir a continuidade das operações comerciais.

Comunicação Eficiente

Durante um desastre, a comunicação eficaz é fundamental para coordenar os esforços de resposta e manter todas as partes interessadas informadas sobre a situação. 

Isso pode envolver a implementação de sistemas de comunicação de emergência, o estabelecimento de linhas de comunicação com autoridades locais e parceiros de negócios e a divulgação de informações atualizadas para funcionários e clientes. 

Uma comunicação clara e transparente ajuda a reduzir a incerteza e a minimizar o impacto do desastre nas operações comerciais.

Análise Pós-Desastre e Aprendizado

Após a mitigação inicial do desastre, é importante realizar uma análise pós-desastre para avaliar o desempenho da resposta e identificar áreas de melhoria. 

Isso pode incluir uma revisão dos planos de contingência, a identificação de lacunas na preparação para desastres e a implementação de medidas corretivas para evitar que eventos similares ocorram no futuro. 

O aprendizado contínuo é essencial para fortalecer a resiliência da empresa e garantir uma resposta mais eficaz a desastres futuros.

A mitigação desempenha um papel crucial na recuperação de desastres, permitindo que as empresas limitem os danos causados por eventos adversos e acelerem a retomada das operações normais. 

Ao adotar uma abordagem proativa para responder a desastres e implementar medidas de recuperação eficazes, as empresas podem minimizar o impacto dos eventos adversos e fortalecer sua resiliência a crises futuras.

Por Que Minha Empresa Precisa de Disaster Recovery?

Hoje em dia, infelizmente, as empresas estão vulneráveis a uma série de imprevistos, desde ataques hackers até falhas humanas que podem comprometer a operação de uma organização. 

Sendo  assim, é preciso criar mecanismos para que as empresas minimizem ao máximo possíveis prejuízos. 

Confira nos tópicos abaixo o porquê o seu negócio precisa contar com um plano de  disaster recovery o quanto antes, principalmente as ameaças digitais, como crimes cibernéticos e ataques de hackers, que infelizmente são comuns:

Sequestros de Dados – Ransomware

Ransomware é um tipo de malware que sequestra os arquivos de um computador ou sistema, criptografando-os e exigindo um resgate para devolver o acesso aos dados. 

O objetivo do ransomware é extorquir dinheiro das vítimas, geralmente em criptomoedas, em troca da chave de descriptografia que permitirá que elas recuperem seus dados.

Os ataques de ransomware geralmente começam com um e-mail de phishing ou por meio de um site malicioso que engana os usuários para clicarem em um link ou baixar um arquivo.

Uma vez que o malware é instalado, ele começa a criptografar arquivos e pastas, impedindo que os usuários acessem seus próprios dados.

Em seguida, o ransomware exibe uma mensagem na tela dos usuários, exigindo o pagamento de um resgate em troca da chave de descriptografia. 

O valor do resgate pode variar de algumas centenas a milhares de dólares, dependendo do tipo de ransomware e da importância dos dados sequestrados.

O ransomware é uma ameaça crescente para empresas e indivíduos, e os ataques estão se tornando cada vez mais sofisticados.

É essencial que as empresas tomem medidas preventivas, como a implementação de backups regulares de dados, a atualização de softwares de segurança e a conscientização dos funcionários sobre as ameaças de ransomware e um bom plano de disaster recovery

Roubos

Normalmente as empresas possuem uma estrutura de TI robusta com equipamentos, máquinas e ferramentas de valores significativos. 

Naturalmente ladrões se interessam por estes tipos de equipamentos e o roubo pode ser uma situação inusitada e inesperada, causando a perda de informações e comprometimento das operações do negócio.

Por isso, garantir a proteção de toda a empresa, incluindo o setor de Tecnologia da Informação, é essencial para evitar que equipamentos e informações sejam roubados.

Erros Humanos

Os erros humanos podem comprometer seriamente a estrutura de TI das empresas. Aqui estão alguns exemplos de como isso pode acontecer:

  • Falha na atualização de software: Se os funcionários não atualizarem regularmente o software e os sistemas, as vulnerabilidades de segurança conhecidas podem permanecer abertas, permitindo que os cibercriminosos explorem essas falhas.
  • Senhas fracas ou reutilizadas: As senhas fracas ou reutilizadas são fáceis de adivinhar ou hackear, permitindo que os invasores acessem contas e sistemas protegidos.
  • Clicar em links ou anexos maliciosos: Os funcionários podem clicar em links ou anexos maliciosos em e-mails de phishing ou outras mensagens maliciosas, permitindo que o malware se instale em seus dispositivos e se espalhe pela rede.
  • Erros de configuração: Os funcionários podem configurar erroneamente sistemas e softwares, abrindo brechas de segurança que podem ser exploradas pelos cibercriminosos.
  • Acesso não autorizado: Os funcionários podem fornecer acesso a terceiros não autorizados a sistemas ou redes da empresa, permitindo que os invasores obtenham informações confidenciais ou acessem sistemas protegidos.
  • Perda ou roubo de dispositivos: Se os funcionários perderem dispositivos móveis, como laptops, smartphones ou tablets, ou se esses dispositivos forem roubados, informações confidenciais da empresa podem ser comprometidas.

Falhas Nos Equipamentos

As falhas nos equipamentos também são muito comuns, como travamentos, panes ou mesmo queima de peças por queda de um raio, por exemplo. 

Esses incidentes podem comprometer as atividades de uma empresa, interromper as operações ou provocar a perda de informações importantes. 

Queda De Energia

As quedas de energia são muito comuns e suas causas são inúmeras, como um curto-circuito ou uma pane elétrica na região onde a empresa está instalada. 

Essas quedas na energia elétrica podem suspender as atividades, prejudicando as operações da companhia, podendo paralisar ainda a produção de produtos, acarretando em prejuízos financeiros ou na perda de dados. 

Reputação

A perda de dados importantes para a empresa ou mesmo informações dos clientes podem prejudicar a reputação de uma empresa, que passa a ser vista como uma companhia que não cuida dos dados dos seus clientes, fornecedores e colaboradores e também não consegue se recuperar rapidamente em momentos de crise. 

Regulamentação – Compliance

Quando falamos regulamentação ou mesmo o compliance de uma empresa, garantir a segurança de dados também é uma das premissas deste setor, que exige um cuidado extra com informações relevantes, sobretudo em razão da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados).

Impactos do Ambientes Ou Desastres Naturais

Outro motivo para implementar o plano de disaster recovery é a possibilidade de desastres naturais e ambientais que podem acometer as empresas.

Mesmo não sendo comum, esses incidentes podem ocorrer e comprometer os dados e operações de uma organização. 

Entre esses desastres podemos citar chuvas fortes, inundações, incêndios e terremotos, que podem causar danos irreversíveis à estrutura de uma empresa.

Quais Os 6 Benefícios Do Disaster Recovery?

Implementar um plano de disaster recovery na sua empresa também pode garantir muitos outros benefícios da sua estrutura de TI. Confira quais são elas:

Minimização de Perdas

A recuperação rápida de sistemas e dados relevantes após um desastre ou incidente pode minimizar as perdas financeiras de uma empresa. 

Ao adotar um plano de  disaster recovery eficiente, é possível fazer a restauração rápida dos seus sistemas e dados, diminuindo, assim, o tempo de inatividade ou até a perda de receita.

Continuidade Dos Negócios

O disaster recovery possibilita que as empresas não paralisem suas operações após um desastre, garantindo que a empresa possa dar continuidade nas suas rotinas, como atendimento ao cliente, reuniões e demais operações. 

Redução De Riscos

A disaster recovery também reduz o risco de perda de informações relevantes e sensíveis, que podem suspender os negócios em razão, por exemplo, de desastres naturais, falhas em equipamentos, ataques hackers, etc.

Conformidade Regulatória

Dependendo do setor de atuação, as empresas devem ter um plano de disaster recovery, por força de lei, para garantir a proteção de dados e a continuidade dos negócios.

Melhoria Da Reputação

A capacidade de se recuperar de uma empresa após um incidente grave também ajuda a melhorar a reputação de uma organização no mercado e também junto aos clientes.

Redução Do Estresse E Ansiedade

Um plano de disaster recovery é capaz de reduzir o estresse e ansiedade entre os funcionários, principalmente, em momentos de crise, pois sabem que há um planejamento pronto para lidar de forma adequada com essas situações. 

Como Implantar o Disaster Recovery (DR)?

Implantar a estratégia disaster recovery é muito benéfico para a sua empresa. Porém, é importante que você leve em consideração uma série de aspectos para adotá-la de maneira correta.

Confira quais são eles:

Antes de Pensar no DR, Certifique-se Que o Backup Está Bem Feito

Antes de implementar um plano de disaster recovery, o primeiro passo é entender se, de fato, os backups são feitos de maneira correta. 

O ideal é restaurar o backup em outro servidor e testar se os sistemas estão operantes.

Existem soluções de backup que são capazes de recuperar dados e sistemas e atuam em conjunto com o plano de disaster recovery

O backup de dados não é suficiente para recuperar um negócio em uma situação de desastre. 

Além dos dados, para o negócio se recuperar de um desastre, a solução de backup precisa recuperar os dados, sistemas e se possível orquestrar a infraestrutura de rede para que os usuários consigam usar os sistemas rapidamente. 

Verifique se a sua solução de backup tem o recurso de disaster recovery capaz de recuperar seu negócio usando a própria estrutura de TI da empresa ou em uma estrutura local de contingência ou em ambiente em nuvem.

Minha Equipe Está Capacitada? Ou Preciso de Uma Consultoria?

Essa é uma pergunta que você precisa fazer antes de iniciar os processos para a implantação do DR na sua empresa. Isso porque, esse plano para recuperação de desastres demanda tempo e dedicação da sua equipe.

Nesse sentido, entenda se a equipe interna da empresa dá conta ou convém contratar alguém especializado, que possa atender a demanda da sua estrutura de TI.

Faça O Mapeamento Das Vulnerabilidades E Impactos Para O Negócio

Outro cuidado imprescindível é fazer um mapeamento das vulnerabilidades da sua estrutura de tecnologia da informação.

Conheça de perto quais são as necessidades dos seus sistemas, as falhas que acontecem de maneira frequente e tudo que pode ser melhorado. 

Descubra também quais possíveis ameaças que podem prejudicar seus sistemas, gerando prejuízos significativos. 

Faça Uma Análise Dos Riscos E Prioridades De Ação

É importante também que seja feita uma análise de riscos no ambiente de TI da sua empresa, observando os processos críticos, as ameaças e impactos para a operação da sua empresa.

Com isso, você consegue entender quais são as prioridades ao implementar um plano de disaster recovery.

Desenvolva o PDR – Plano De Disaster Recovery

Desenvolva um plano de recuperação de desastres eficiente, que inclua os sistemas usados e as informações sensíveis e que devem ter prioridade. 

Neste plano, inclua aspectos como:

  • Profissional responsável em caso de desastre natural ou perda de dados;
  • Tenha em mãos os contatos de colaboradores envolvidos no plano;
  • Tenha uma lista de sistemas e dados críticos;
  • Crie um plano de comunicação com responsabilidades;
  • Mapeie os sistemas e tecnologias que devem ser usados na restauração do ambiente em caso de um desastre.

Treinamento Das Equipes Envolvidas

Para que o plano funcione de forma eficiente, promova treinamento das equipes envolvidas na recuperação e na retomada de atividades, em caso de desastre.

Lembre-se que a cada modificação no plano de disaster recovery, os colaboradores devem passar novamente por uma capacitação. 

Simulação De Um Desastre

Outro cuidado importante é fazer uma simulação de desastres para que a equipe envolvida possa saber como agir nessa situação. 

Nesse sentido, crie um passo a passo com cada ação que precisa ser feita, dessa forma, os colaboradores saberão exatamente qual caminho seguir. 

Crie uma variedade de cenários de tempo de inatividade e perda de dados para entender como os colaboradores devem se comportar diante de cada situação. 

Conclusão

Agora que você sabe o que é disaster recovery, ficou mais fácil compreender a importância de adotá-lo na sua empresa, não é mesmo?

Na hora de implementar um plano de recuperação de desastres (PDR), conte com o auxílio de uma empresa de Tecnologia da Informação para viabilizar um plano eficaz para  recuperação de desastres.
Conheça a HLTI, uma empresa de tecnologia, que conta com soluções personalizadas para o perfil do seu negócio.

2022. Todos os direitos reservados. Criado por @setezeromeia.