Confira As Principais Diferenças Entre RTO e RPO

RTO
banner-agendamento-online

O RTO  (Recovery Time Objective) é uma métrica essencial para as empresas que desejam ter uma rotina eficiente e uma infraestrutura de tecnologia da informação segura, sólida e, claro, eficaz. 

Isso porque, o Recovery Time Objective define qual o período de tolerância que uma organização consegue ter para fazer a recuperação de um sistema após uma falha ou interrupção, sem prejudicar a produtividade e a continuidade dos negócios. 

O objetivo do RTO é reduzir ao máximo as perdas de dados sensíveis que possam gerar prejuízos operacionais e financeiros para uma companhia diante de algum incidente. 

Sendo assim, essa métrica garante eficiência e segurança no processo de backup e recuperação de dados. 

Quer saber mais como essa o que é RTO, como ele funciona, quais as diferenças com o RPO, como fazer o cálculo das métricas e como adotá-lo na sua empresa de maneira eficiente? 

Continue lendo o nosso artigo!

O Que É RTO?

O RTO é a sigla para Recovery Time Objective que, em português, quer dizer Objetivo de Tempo para Recuperação.

Essa métrica, basicamente, estabelece o período de tolerância que uma empresa consegue aceitar para executar a recuperação de um sistema após uma interrupção ou falha, que podem ser os mais diversos, como ataques cibernéticos, erros humanos, falhas de sistemas, desastres naturais, etc.

O RTO considera, por exemplo, diversos componentes de análises, como impacto da interrupção nas áreas operacionais e financeiras de uma companhia, além da criticidade dos serviços comprometidos após um incidente.

O Que É RPO?

Já o RPO, que é a sigla para Recovery Point Objective, quer dizer Objetivo de Ponto de Recuperação

Nesse caso, ele representa a quantidade de dados que uma organização pode aceitar, porém sem interromper suas operações, mesmo que seja com recursos mínimos.

Com isso, essa métrica possibilita um entendimento aprofundado sobre a tolerância máxima que a sua empresa consegue ter antes que as atividades essenciais para a operação sejam prejudicadas, em caso de perda de dados sensíveis (dados essenciais para a continuidade de negócios). 

Quais Os Objetivos Do RTO e RPO?

Em termos gerais, o objetivo do RTO e do RPO é assegurar a recuperação de desastres e a continuidade de negócios em diferentes incidentes que uma empresa pode enfrentar em relação aos seus dados, que podem ser falhas de sistemas, erros humanos, desastres naturais, etc.

Dessa forma, essas métricas visam a definição de limites para a execução da recuperação de sistemas após uma interrupção. 

Ambos os conceitos foram criados para que as organizações possam utilizar as melhores estratégias para evitar ou minimizar prejuízos diante de uma situação crítica de perda de dados. 

Com isso, seu grande objetivo é garantir a continuidade das atividades de uma empresa em qualquer situação, principalmente, as críticas.   

Quais São As Diferenças Entre O RTO e O RPO?

O RTO é uma métrica que define o período de tolerância que uma companhia tem para fazer a recuperação de um sistema após um incidente relacionados aos dados, que pode ser falha, erro humano, ataque hacker ou desastre natural, como mencionamos. 

Enquanto isso, o RPO é uma métrica que está associada à quantidade de dados que uma empresa poderia perder, mas sem interromper suas operações, mesmo que seja com recursos mínimos.

Ficou mais claro este conceito sobre as métricas? Então, vamos prosseguir. 

Como os RTOs e RPOs Funcionam?

O RTO funciona como um parâmetro do período máximo que uma organização pode tolerar para recuperar seus serviços após uma interrupção, que comprometa o acesso aos dados de uma companhia.

Sendo assim, ele funciona como um espécie de guia com critérios que definem, por exemplo, quais sistemas, aplicativos e serviços devem ser restaurados para minimizar ou mesmo evitar prejuízos para um negócio tanto de ordem operacional como financeiro. 

Além disso, o RTO também define outros elementos, como custo associado à interrupção das atividades, complexidade dos sistemas que precisam ser restaurados, recursos disponíveis, entre outros aspectos.

O RPO também funciona a partir de diversos fatores, que determinam qual o tempo que uma empresa está disposta a perder de dados em caso de um incidente, que envolva informações sensíveis e altamente necessárias. 

Diante disso, essa métrica pode influenciar a frequência de backups e replicação de dados, qual a tolerância à perda de dados, duração máxima de tempo entre os backups, etc.

Sendo assim, ambos os conceitos funcionam para garantir a continuidade das operações de negócios em caso de interrupções.

Como Métricas Como RTO e RPO Impactam Nas Empresas?

Os RTOs e RPOs são cruciais para uma companhia, principalmente, no que se refere a continuidade do negócio, visto que essas métricas auxiliam na elaboração de um planejamento efetivo de proteção de dados e recuperação das atividades em caso de desastres (disaster recovery). 

Sendo assim, ao saber exatamente as  metas de tempo e perda de dados, sua companhia tem muito mais segurança para colocar em prática estratégias e alocar recursos necessários para minimizar os impactos e retomar as operações dentro do tempo limite definido.

As duas métricas também permitem que a sua companhia priorize recursos durante uma interrupção, permitindo, assim, a identificação dos serviços ou sistemas, que precisam ser restaurados com mais urgência.

A proposta das métricas de RTOs e RPOs é assegurar que as estratégias sejam executadas para as áreas mais críticas, minimizar a possibilidade de paralisação das atividades e prejuízos significativos para uma empresa. 

Sem contar que ambas as métricas auxiliam na tomada de decisão basicamente em dois duas situações: 

  1. Frequência de Backups: Um RPO mais baixo exige backups mais frequentes para minimizar a perda de dados. Isso pode afetar a decisão sobre a escolha de tecnologias de backup e a alocação de recursos para manter e monitorar esses backups.
  1. Escolha de Tecnologias de Replicação: Para atingir um RPO mais baixo, as organizações podem optar por usar tecnologias de replicação em tempo real ou quase real, o que pode ter implicações em termos de custo e complexidade.

Práticas Para Garantir O RTO e RPO

Para garantir a eficiência dos RTOs e RPOs da sua empresa, é importante adotar algumas práticas, que apresentaremos a seguir, confira quais são elas:

Automação

A automação é essencial para que os objetivos do RTO sejam atingidos, já que ela diminui o tempo de resposta em caso de interrupção de um sistema, aumentando, assim, a precisão dos processos, simplificando também as tarefas manuais, visto que ela é um recurso automatizado.

A automação é um recurso que melhora também a escalabilidade, além de simplificar os testes de recuperação. 

Com essa tecnologia, certamente, sua empresa conseguirá melhorar significativamente a capacidade de recuperar sistemas e dados depois de um incidente,  minimizando o impacto nos negócios.

Frequência De Backup

A definição da frequência de backup também é essencial nesse processo, já que ela é capaz de reduzir a perda de dados, permitindo que os dados mantenham-se sempre atualizados, o que também diminui o tempo de recuperação. 

Sem contar que a frequência de backup também auxilia na detecção precoce de problemas, garantindo uma maior flexibilidade na recuperação e melhorando a capacidade de recuperação dos sistemas, em caso de interrupção.

Definição De Tempo

Ao definir o RTO e RPO da sua política de backup, a determinação de tempo também é uma prática importante em todo esse contexto. 

Isso porque, esse período possibilita um planejamento muito mais eficiente e seguro, auxiliando no gerenciamento das expectativas das partes interessadas.

Além disso, ao definir o tempo de recuperação, sua empresa consegue priorizar ações durante o planejamento das operações, o que permite uma avaliação contínua e a realização de ajustes com base nas necessidades do negócio. 

Ao ter em mãos prazos claros, sua empresa pode empregar esforços de recuperação de desastres para minimizar o impacto negativo das paralisações nos sistemas e dados críticos.

Recuperação Granular De Dados

A recuperação granular de dados é fundamental para atingir as metas de RTOs e RPOs, já que ela minimiza a perda de dados, proporcionando maior agilidade e reduzindo o tempo de inatividade durante a recuperação. 

Sem contar que a recuperação granular de dados garante precisão e seletividade na restauração, flexibilidade e escalabilidade, além de proporcionar a redução dos custos de armazenamento. 

Ao implementar a recuperação granular de dados, as organizações podem recuperar rapidamente partes específicas dos dados, garantindo a continuidade dos negócios e minimizando o impacto de interrupções nos sistemas críticos.

Gerenciamento Das Tarefas De Backup

O gerenciamento das tarefas de backup é fundamental para ter RTOs e RPOs eficazes, visto que esse cuidado assegura a conformidade, mantém a integridade dos backups, além de otimizar os recursos e automatizar as operações.

Ao ter um gerenciamento adequado, sua empresa pode garantir maior proteção dos dados e uma recuperação eficiente em situações que envolvam a interrupção dos serviços. 

Replicação Das Cópias De Backup

A replicação das cópias de backup também é um cuidado essencial para as metas de  RTOs e RPOs. Isso acontece porque essa replicação das cópias diminui o tempo de recuperação, aumentando a resiliência dos dados e sistemas.

A replicação das cópias de backup facilita também o processo de recuperação de desastres, aumentando a tolerância a falhas e permitindo testes de recuperação eficazes. 

Ao implementar a replicação das cópias de backup, é possível fortalecer sua capacidade de responder a interrupções e minimizar o impacto nas operações da sua companhia.

Integridade Dos Dados

A integridade dos dados também é uma prática que não pode faltar na definição do RTO e RPO. 

Isso porque, ela preserva a qualidade e a confiabilidade dos dados, permitindo uma recuperação confiável e precisa, além de garantir o cumprimento de regulamentações, mantém a confidencialidade e privacidade dos dados, evitando a  propagação de erros. 

Ao garantir a integridade dos dados nesse processo de recuperação, as empresas conseguem minimizar os riscos e impactos relacionados a interrupções e assegurar a continuidade dos negócios com dados confiáveis e precisos.

Como Fazer O Cálculo Do RTO?

Para fazer o cálculo do RTO, é preciso fazer uma análise minuciosa dos sistemas, processos e recursos necessários para fazer a restauração da operação depois da ocorrência de uma interrupção. 

Por isso, o cálculo deve levar em consideração, por exemplo, os serviços e processos de negócios que são cruciais para a operação contínua da sua empresa. 

Além disso, estabeleça ainda qual o impacto uma interrupção pode ter na sua empresa, avaliando, por exemplo, os prejuízos financeiros e operacionais que a sua empresa poderia ter em um incidente de perda de dados. 

Você deve levar em consideração o período máximo que a sua empresa consegue ficar sem esses serviços antes de grandes perdas.

Análise também qual a complexidade e os requisitos de recuperação dos sistemas em relação aos serviços críticos. No cálculo, inclua, por exemplo, a rede, servidores, o armazenamento e outros elementos necessários para fazer a recuperação.

Além disso, não deixe de avaliar quais recursos sua empresa tem em mãos para recuperar as atividades, como ferramentas, profissionais, backups e outros procedimentos importantes.

Todos esses cuidados permitem que você possa definir com mais segurança a capacidade de resposta e os prazos para a recuperação de sistemas, redes ou aplicativos.

Considere também os compromissos de tempo que sua organização deve cumprir para atender a esses acordos com fornecedores, clientes, profissionais, parceiros e outros agentes envolvidos na atividade da empresa.

Outro ponto que merece destaque é a definição de um RTO realista para que as operações de recuperação se concretizem com mais facilidade, eficiência e segurança. 

Vale ressaltar que o cálculo do RTO é um processo contínuo e, portanto, precisa ser revisto e atualizado frequentemente ao passo que a infraestrutura e as necessidades de negócios evoluem. 

Então, leve em consideração todos esses aspectos na hora de fazer o cálculo do RTO e RPO da sua empresa. Pense nisso!

Conclusão

Agora que você entende melhor as diferenças entre RTO e RPO e como cada métrica funciona, é possível estabelecer uma política de segurança mais eficiente, no sentido de  evitar prejuízos às operações de uma empresa em caso de falhas que afetam a continuidade do negócio. 

Lembre-se que a criação de rotinas de backup é importantíssimo para qualquer empresa que deseja evitar prejuízos em eventuais perdas de dados. 

Sendo assim, se você quer garantir a realização de backups eficientes e seguros, não deixe de contratar uma solução de backup para a sua empresa, pois ela manterá seus dados seguros e sempre disponíveis.

Conheça a HLTI, somos uma empresa especializada em backup em nuvem e nos produtos Backup PRO e Veeam Backup & Replication, são tecnologias compatíveis com diversos sistemas, aplicações, bancos de dados e virtualização, proporcionando a segurança dos dados da organização.

2022. Todos os direitos reservados. Criado por @setezeromeia.